Segunda-feira, 30 de Abril de 2012

«ao norte unplugged» traz os UHF de volta ao formato acústico

No ano em que celebram 34 anos de carreira, chega hoje às lojas a coletânea que reúne o melhor dos dois concertos realizados pelos UHF em Fafe no final de 2011.


O álbum «ao norte unplugged» é segundo a banda, «um disco acústico, o melhor de dois concertos, um disco para fãs, canções e versões como nunca sonharam ouvir.»

 

A ideia do disco nasceu do sucesso dos concertos de Inverno que o grupo vinha realizando desde há cerca de dois anos. A pedra de toque, o clique que aciona a combustão da obra, aconteceu em Paris, no dia em que a seleção portuguesa goleou a da Coreia do Norte, em junho de 2010.

 

Nessa tarde, os UHF encheram o auditório da Gulbenkian como nunca antes ali acontecera. Entre canções acústicas e a declamação de poetas lusos a apoteose dos grandes momentos. No final, na sessão de autógrafos, vários espectadores perguntaram se o espectáculo estava à venda em disco.

 

Em novembro do mesmo ano, os UHF chegaram pela primeira vez ao Teatro Cinema de Fafe. Os fãs esgotaram os bilhetes com quatro dias de antecedência e a sala veio abaixo ao longo das duas horas e meia de atuação.

 

Outros auditórios se sucederam com igual sucesso por todo o país – salas antecipadamente esgotadas, entusiasmo geral e prazer desfrutado pelos músicos que descobriam novos caminhos para velhas canções – o formato unplugged.

 

Um ano depois, em novembro de 2011, o grupo regressou a Fafe para registarem um concerto acústico para edição discográfica. Só que desta feita a sala esgotou com duas semanas de antecedência pelo que novo concerto foi marcado para o dia seguinte e os dois acabaram por entrar no registo digital.

 

Este disco ao vivo, o quarto na vida dos UHF, é uma celebração ao norte e a todos os fãs anónimos que entraram para a grande família que o tempo e as canções ofereceram ao grupo.

 

Depois de concertos gravados em Almada, Lisboa e Porto, os UHF celebram as emoções e o coro que as gentes do norte emprestam em cada concerto do grupo.

 

O álbum «ao norte unplugged» reúne o melhor dos UHF no formato unplugged. Reúne o melhor desses dois concertos e revela uma formação madura, capaz de se reinventar como acontece nas versões de «Cavalos de Corrida», o primeiro single a chegar às rádios, «Matas-me Com o Teu Olhar», «Quando (dentro de ti)» ou «Na Tua Cama».

 

Depois de já ter passado por Almada e Braga durante o mês de abril, a banda vai continuar a percorrer o país. As próximas datas já reveladas são:

 

30 de abril - Barcelos - Festa das Cruzes - 22h00

05 de maio - Sesimbra, Cine Teatro João Mota - 21h30

07 de junho - Caramulo - 21h30

16 de junho - Braga, Pq. Estádio 1º de Maio - 23h00

01 de julho - Festas da Rebordosa / Paredes - 22h30

05 de julho - Costa da Caparica - 21h30

06 de julho - Semana Cultural de Velas / Ilha de S. Jorge – Açores - 22h00

14 de julho - Festas de Forjães / Esposende - 22h30

 

Recordem aqui um dos temas do último álbum, «Porquê (Português)»

 

Retirado de Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 21:03 | link do post | comentar

 

Letra

 

Clementine

Luisa Sobral

 

Clementine was born not to be
Born not to love
Like you and me

No one has ever seen her cry
But hidden in her eyes
There’s a whole wide see

Clementine walks around at night
Talks the moonlight into sleep
Wakes up slowly taking her time
She has no one to meet

No one wonders where she’s from
If she has ever had someone of her own
She is just a part of the sea
A part of you and me

Clementine reads all day long
Carries the world of someone unknown
Finds her castle
Sits on her throne
Then she is not alone


publicado por olhar para o mundo às 17:58 | link do post | comentar

Dia Internacional do Jazz comemorado hoje pela primeira vez

O jazz é uma expressão musical que pode «derrubar barreiras e simbolizar a paz e a unidade», defende a UNESCO na proclamação do Dia Internacional do Jazz, que se assinala esta segunda-feira, pela primeira vez.


A Organização das Nações Unidas para a Educação Ciência Cultura decretou 30 de abril como o Dia Internacional do Jazz por proposta do músico e compositor Herbie Hancock(na foto), embaixador da boa vontade da UNESCO.

 

Na mensagem oficial deste dia, a diretora-geral da UNESCO,Irina Bokova, sublinhou que o jazz foi e continua a ser «a força que promove uma transformação social positiva».

 

«Por ter as suas raízes na escravatura, esta música fez crescer uma voz apaixonada contra todas as formas de opressão. Fala a linguagem da liberdade que é compreendida por todas as culturas. São também estes os objetivos que guiam a UNESCO nos seus esforços de construir pontes dialogantes entre todas as culturas e sociedades», afirmou Irina Bokova.

 

O jazz é uma das expressões musicais nativas dos Estados Unidos, praticada inicalmente pela comunidade afro-americana no século XIX, descendente das vagas de escravos que aportaram nos EUA vindas de África, tendo-se popularizado nas primeiras décadas do século seguinte.

 

Apesar das celebrações decorrerem oficialmente hoje, na sexta-feira passada, realizam-se já em Paris várias iniciativas nas quais participaram, por exemplo, Herbie Hancock, Barbara Hendricks e Wynton Marsalis.

 

Esta segunda-feira, Herbie Hancock dará um concerto em Nova Orleães, cidade que é considerada um dos berços do jazz. Na sede das Nações Unidas estarão Dee Dee Bridgewater, Diane Reeves, Esperanza Spalding, Angelique Kidjo, entre outros.

 

Em Portugal decorrem várias iniciativas para assinalar o primeiro Dia Internacional do Jazz.

 

No Centro Nacional de Cultura (CNC), em Lisboa, decorrerá um encontro com o investigador João Moreira dos Santos, o presidente do CNC, Guilherme D'Oliveira Martins, o músico António Barros Veloso e o diretor da estação de rádio Antena 2, João Almeida.

 

Hot Clube de Portugal estende-se à Praça da Alegria e propõe uma maratona de jazz que começará às 13:00 com os alunos da Escola de Jazz Luiz Villas-Boas.

 

Às 18:00, o antigo contrabaixista e diretor do Hot Clube de Portugal Bernardo Moreira dará uma aula aberta sob o tema «As memórias da Praça da Alegria».

 

A partir das 22:00 haverá atuações ininterruptas no mais antigo clube de jazz português com as participações dos irmãos João e Pedro Moreira, Mariana Norton, Paula Oliveira, Filipe Melo, Marta Hugon, entre outros.

 

Em Coimbra, o Jazz ao Centro Clube assinala a efeméride e os seus nove anos de existência, com a apresentação do programa do décimo Festival do Jazz ao Centro - Encontros Internacionais de Jazz de Coimbra.

 

Mais a sul, em Faro, o destaque vai para a atuação da Andalucia Big Band, dirigida por Zé Eduardo, com Maria João, Mário Laginha, Viviane, Paulo Gomes, Fátima Serro, João Frade e o coletivo Fried Neuronium.

 

Nos claustros do Museu Municipal de Faro o radialista e especialista em jazz José Duarte participará no encontro«Conversas Improvisadas».

 

Retirado de Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 14:00 | link do post | comentar



Letra


Não encontrei a letra desta música


publicado por olhar para o mundo às 08:55 | link do post | comentar

Domingo, 29 de Abril de 2012

Paulo Brissos regressa sob a forma “Pop Blues”

 

Paulo Brissos apresentou ontem, 27 de Abril, na discoteca Indochina em Lisboa, o seu novo trabalho, “Pop Blues”, num concerto onde se puderam perceber as influências dos pais fundadores do blues, mas também a piscadela do músico à pop actual.

 

Temas como “Sentimentos por ti” ou o single “Todos os teus segredos” alimentam-se de guitarras blues tradicionais, com acordes frescos e temporizados, acompanhados por uma batida típica do rock tradicional.

 

Embora verdade para o instrumental, o blues desaparece nas letras e nas vocalizações trabalhadas por Brissos para este novo disco, que continuam a acompanhar o seu registo pop habitual.

 

Há contudo uma certa inflexão para um ambiente r’n’b, onde “Blues em ti”, ou as versões de “Vem Dançar Mãos no Ar” (Get it On) e “O Sol não brilha” (Ain’t no sunshine) surgem como uma espécie de tradução portuguesa dos trabalhos de R Kelly.

 

A icónica “Sei lá” foi a prova viva e cantada da suavidade presente na discografia de Brissos, e de que o novo disco segue um caminho diferente, onde novas propostas são sobretudo para dançar.

 

Paula Teixeira, Pedro Vaz, Gonçalo Pereira, Manuel Lourenço e José Gabriel Quaresma acompanharam Brissos na noite de ontem.

 

Retirado de HardMúsica 

 



publicado por olhar para o mundo às 21:47 | link do post | comentar



Letra


Não encontrei a letra desta música


publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

Memória de Peixe Ao vivo

 Vê o projeto de Miguel Nicolau e Nuno Oliveira em Lisboa.

 

Memória de Peixe (www.facebook.com/memoriadepeixe) é um projeto de Miguel Nicolau (guitarra) e Nuno Oliveira (bateria), que assenta na construção em tempo-real de canções curtas, usando loops com cerca de 7 segundos. Tal como a memória de um peixe, as melodias reinventam-se à medida que são construídas e repetidas.

Com o selo da Lovers & Lollypops, o disco conta com as participações de Carlos Bica, Catarina Salinas (Best Youth) e de Da Chick, no já conhecido tema “Fish & Chick”. Memória de Peixe foi produzido e gravado por Nuno Monteiro, no Lisboa Estúdio, e masterizado por Steve Fallone (Sonic Youth, Yo La Tengo, Grizzly Bear, The Strokes), na Sterling Sound, em Nova Iorque.

 

14 de maio é a data de chegada do álbum às lojas e ao iTunes no mesmo dia em que é lançado o novo single e o respetivo videoclip.

O concerto de apresentação acontece 30 de abril no Music Box em Lisboa com o apoio da 3.

 

Retirado da Antena 3 

 

Veja o vídeo de  Fish&Chick 

 



publicado por olhar para o mundo às 12:20 | link do post | comentar



Letra


Não encontrei a letra desta música


publicado por olhar para o mundo às 08:09 | link do post | comentar

Sábado, 28 de Abril de 2012

Os Sétima Legião na altura do álbum "De Um Tempo Ausente"

Os Sétima Legião na altura do álbum "De Um Tempo Ausente" (DR)


Um dos grupos portugueses mais marcantes dos anos 80 e 90, os Sétima Legião, regressam para uma minidigressão com início amanhã, na Casa da Música, no Porto. Pelo meio são reeditados todos os álbuns.

 

Nos primeiros anos da década de 80 a militância, em torno da música, reinava em Lisboa. Na rádio ouvia-se o "Rolls Rock" de António Sérgio. À noite ia-se ao Bairro Alto. Na roupa mimetizava-se Ian Curtis dos Joy Division. Os ecos de Inglaterra chegavam através dos textos de Miguel Esteves Cardoso. E na Avenida de Roma, Rodrigo Leão (baixo e teclas), Pedro Oliveira (voz e guitarra) e Nuno Cruz (bateria) ensaiavam, ambicionando estrear-se no Rock Rendez-Vouz. 

Agora, 30 anos depois, os três fundadores dos Sétima Legião, em conjunto com os restantes membros do grupo (Gabriel Gomes em acordeão, Paulo Marinho em gaita-de-foles, Ricardo Camacho nas teclas, Paulo Abelho nas percussões e Francisco Menezes, letrista e coros) regressam para duas grandes apresentações (Casa da Música, amanhã, e Coliseu de Lisboa, a 4 de Maio), inseridas numa digressão de 10 datas. Depois voltarão aos seus afazeres. Leão, Gomes e Abelho, de formas diferentes, continuam ligados à música, mas Camacho é médico, Oliveira advogado e Menezes, diplomata, é agora chefe de gabinete de Pedro Passos Coelho. 

Desde o lançamento do último álbum, em 1999, nunca deixaram de actuar em conjunto, em concertos semiprivados, mas agora é outra coisa. "Existe algum nervosismo", diz-nos Oliveira, "até porque algumas pessoas, como eu, não têm tocado ao vivo. Mas começámos a ensaiar com mais intensidade há três meses e vamos ser rigorosos." 

O pretexto para o retorno é a celebração de 30 anos de carreira, mas a hipótese estava em cima da mesa há anos. "Este foi o ano em que a agenda das pessoas permitiu que pensássemos em algo deste género", resume, "embora assumamos que é apenas isto que queremos fazer." Regravar temas antigos ou criar originais não está no seu horizonte. "É improvável, mesmo que esta digressão desencadeasse enorme entusiasmo, porque a carreira de cada um de nós deixa muito pouco espaço para isso."

Nos concertos vão respeitar ao máximo a génese das canções. "Não me revejo naquelas reuniões de bandas que depois optam por criar novos arranjos", assume. Não haverá grandes alterações, a não ser as decorrentes da passagem do tempo, nomeadamente o facto de hoje existir maior apuro técnico. "Tornámo-nos melhores músicos, por isso vamos fazer as coisas com exigência, sem perdermos a alegria despreocupada que sempre tivemos."

Paralelamente aos concertos, vai ser reeditada a obra completa e uma antologia de temas emblemáticos, "Memória", constituída por um CD e um DVD, que inclui a gravação de um concerto no Pavilhão Carlos Lopes em Dezembro de 1990. 

O grupo deixou um traço vincado na produção dos anos 80 e 90, pela forma como aliaram o espírito pós-punk internacional com as raízes portuguesas, mas foram os três primeiros álbuns - "A Um Deus Desconhecido" (1984), "Mar D"Outubro" (1987) e "De Um Tempo Ausente" (1989) - que acabaram por deixar mais marcas. Pelo menos, serão esses que estarão em maior evidência nos concertos. 

"A essência da nossa música - uma mistura de dimensão etérea, com canções com muito espaço - já estava presente no primeiro álbum e são muitos desses temas que as pessoas continuam a ouvir." 

Regressemos à Av. de Roma, há 30 anos. Oliveira e Leão têm pouco mais de 15 anos e nenhum deles se sente muito apto para ser vocalista. Depois de procurar, chegam à conclusão que terá de ser um deles a assumir o microfone. Fica o que tem a voz mais grave, Oliveira. "Nunca fui um cantor no sentido essencial, mas, até desse ponto de vista, funcionávamos como um verdadeiro grupo de amigos, porque não havia ninguém que se destacasse", diz. Agora os amigos voltam a reunir-se à volta dos concertos.

 

Retirado do Público



publicado por olhar para o mundo às 17:22 | link do post | comentar

 

letra

 

O vendaval passou
E a primavera voltou
Trocam-se flores e afagos
Em bancos de jardim
Trocam-se juras de amor
Em paixões de folhetim
O sol aconchega os corações
E o povo canta as canções
Trauteando, mão na mão
Cada verso cada refrão
E até os pássaros sabem de cor
As suas cantigas de amor
Que mundo tão feliz
E até parece Paris

Trocam-se juras de amor
Em delírios febris
E elas desfilam em bando
E eles pedem bis
Mas enquanto isso, meu coração
Despedaçado e só
Dá o mote e dá o tom
Afina o ritmo e alisa o som
E escolhe os versos que vestem melhor
As suas cantigas de amor

Mas enquanto isso, meu coração
Despedaçado e só
Dá o mote e dá o tom
Afina o ritmo e alisa o som
E escolhe os versos que vestem melhor
As suas cantigas de amor
As suas cantigas de amor
As suas cantigas
As suas cantigas
As suas cantigas de amor 



publicado por olhar para o mundo às 17:05 | link do post | comentar

Novo videoclip de Mastiksoul tem participação de Nani e Miguel Veloso

O terceiro álbum do conceituado DJ e produtor portuguêsMastiksoul chegou às lojas no passado dia 16 de abril. 

 

«Forever», o tema original que dá nome ao novo álbum e que surge de mais uma parceria de Mastiksoul com Dada (Massive Attack; Deepest Blue), é o single de apresentação.

 

Trata-se de um tema de celebração, de festa. Uma música cuja letra, melodia e sonoridade são um incentivo à união das pessoas, à comemoração de grandes momentos.

 

Foi este princípio que esteve na base do convite a Nani e a Miguel Veloso (jogadores internacionais, com responsabilidade inquestionável no apuramento da Seleção Nacional para o Euro 2012) para participarem no videoclip.

 

Sendo o futebol um elemento de festa e de união de um elevado número de pessoas, e não ignorando o facto de que em 2012 muito se falará de futebol e dos jogadores da Seleção Nacional, foi utilizado como elemento ilustrador do videoclip de «Forever», numa disputa muito singular entre jogadores profissionais e Dj’s profissionais.

 

Vejam aqui o videoclip de «Forever»

 

Retirado de Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 12:42 | link do post | comentar

 

Letra

 

Vem comigo amor
Que o futuro não presta.
Sou o que te resta,
Batemos juntos no fundo.
Os gordos comeram tudo.

 

Vem comigo amor
Distrair-te na dança.
Que o mundo avança
Mas nós ficámos pendentes.

 

Nós somos indiferentes,
Nem frios nem quentes.
Nós somos estrangeiros,
Pouco verdadeiros.
Temo-nos um ao outro,
Mas não me sabe a pouco.

 

Ahahah

 

Vem comigo amor
Nós somos engenheiros,
Artistas, pedreiros,
No fundo apaixonados...
É o que nos tem sustentado.

 

Vem comigo amor
Melhores dias virão.
Dentro de um pão
Algo vai sobrar p'ra a gente.

 

Nós somos indiferentes,
Nem frios nem quentes.
Nós somos estrangeiros
Ou pouco verdadeiros.
Temo-nos um ao outro,
Mas não me sabe a pouco.

 

Vem comigo amor,
Vem morar numa ilha.
Trás uma ervilha,
Vivemos dela para sempre...

 

Nós somos indiferentes,
Nem frios nem quentes.
Nós somos estrangeiros,
Pouco verdadeiros.


Temo-nos um ao outro,
Mas não me sabe a pouco.

Nós somos indiferentes,
Nem frios nem quentes.


Nós somos estrangeiros
Ou pouco verdadeiros.
Temo-nos um ao outro,
Mas não me sabe a pouco...
Mas não me sabe pouco...

Ahahahahahaaah



publicado por olhar para o mundo às 08:52 | link do post | comentar

Sexta-feira, 27 de Abril de 2012


publicado por olhar para o mundo às 22:46 | link do post | comentar

Mercado Negro, Beenie Man e Bezegol confirmados na Ericeira

Com um  welcome Party marcado para 28 de Junho, o Sumol Summer Fest anuncia a presença de Mercado Negro, Beenie Man e Bezegol no Ericeira Camoing num festival onde a música será rainha mas onde o sol, assim se espera, será o rei.

O Sumol Summer Fest será o primeiro dos muitos festivais de verão que aguardam os festivaleiros por isso o entusiasma que o aguarda é grande.

Assim chegaram as confirmações que fecham o cartaz do Palco Sumol, juntando-se a nomes como Alpha Blondy, Gabriel o Pensador, SOJA ou Ponto de Equilíbrio.

Beenie Man, o rei do dancehall, estreia-se no Sumol Summer Fest, satisfazendo a vontade dos muitos amantes do estilo que frequentam o festival. 

Do lado português, este ano, dá-se lugar aos nomes indispensáveis do movimento: Mercado Negro e Bezegol provam que o reggae nacional está bom de saúde e recomenda-se.

Já confirmados:
 
Dia 28 - Welcome Party
Camo & Krooked
Alif 
 Zeder 
 Jamie Boy 
 BTR Sound
 
Dia 29
Alpha Blondy 
 Ponto de Equilíbrio
Selah Sue
Richie Campbell & The 911 Band 
Mercado Negro
Gui Boratto
 
Dia 30
Gabriel O Pensador 
Barrington Levy 
SOJA 
Beenie Man
Mercado Negro
Booka Shade
  
O bilhete diário é de 40 euros
Dois dias sem camping 50 euros
Dois dias com camping (inclui a noite de 28 de Junho) 65 euros

 

Retirado de HardMúsica



publicado por olhar para o mundo às 22:39 | link do post | comentar

Ana Moura grava novo disco com Larry Klein

 

 

O sucessor do duplo platinado «Leva-me aos Fados» vai ser produzido por um dos mais afamados produtores da atualidade: Larry Klein.

 

Ana Moura convidou o mítico produtor para estar ao leme do seu novo disco, desafio que Klein, vencedor de quatro Grammys, terá aceite imediatamente, confessando-se um fã convicto de Ana Moura. As gravações estão previstas para acontecer já no próximo mês.

 

O disco será gravado em Los Angeles, nos históricos Henson Recording Studios, fundados por Charlie Chaplin em 1917, e por onde passou toda a história da música popular dos últimos 100 anos: John Lennon, Paul McCartney, The Doors, The Rolling Stones, The Police, U2, Bruce Springsteen, Rage Against The Machine, Pearl Jam, Metallica, Shakira, Lady Gaga, Beyonce, entre muitos, muitos outros... Foi ainda neste estúdio que foi gravado o lendário hino, e respectivo videoclip «We Are The World», em 1985.

 

Os últimos três anos da vida de Ana Moura têm sido preenchidos com espetáculos em todos os cantos do mundo.

 

A fadista de Coruche levou aos fados a gente dos cinco continentes em concertos que passaram pelas mais importantes salas e pelos mais prestigiados festivais. Atingiu prémios e nomeações de relevo a nível nacional e internacional, partilhou palco e música com variados artistas de excelência, abraçou diversas causas humanitárias e viu «Leva-me aos Fados» instalar-se semanas a fio na tabela nacional de vendas e com surpreendentes aparições nos tops da Billboard e da Amazon.

 

Larry Klein é um produtor norte-americano que se tornou respeitado a nível mundial pelo trabalho de produção em vários discos de Joni Mitchell, com quem também foi casado. Porém, Klein também já produziu outros artistas de grande relevo como Herbie Hancock (ainda recentemente ganharam juntos o Grammy de Disco do Ano, em 2008), Madeleine Peyroux, Melody Gardot, Tracy Chapman, Raul Midón ou Luciana Souza, entre muitos outros.

 

Esporadicamente, Larry Klein tem colaborado, como músico, compositor ou produtor, com quase todos os mais aclamados artistas mundiais: De Wayne Shorter a Bob Dylan, de Bobby McFerrin a Bjork, de Norah Jones a Bryan Adams, Peter Gabriel ou Gwen Stefani.

 

No cinema participou em bandas sonoras de obras de Martin Scorsese, Ang Lee ou dos irmãos Coen, só para citar alguns.

 

Via Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 12:17 | link do post | comentar


 

Letra

 

Ficámos ali sem falar
sem dizer nada
deixámos o tempo passar
como quem se deixasse arrastar
sem resistir, até aos braços do mar.
Sem nenhuma pressa no olhar
apenas calma
um silêncio tão singular, tranquilo
sem a urgência de explicar 
na pele e na alma
o que nos faz cantar.
Ninguém, só tu
tem a chave sabe a senha
mais ninguém só tu…
Ninguém, só tu
jóia rara, coisa estranha
mais ninguém só tu…
No silêncio do teu olhar tudo é calma
no silêncio do teu olhar
eu desnudo a pele
e o medo, a dor e a alma.
Ninguém, só tu
tem a chave, sabe a senha
mais ninguém só tu...
Ninguém, só tu
jóia rara, coisa estranha
mais ninguém só tu…
Não sei explicar
como se diz
faz-me cantar
faz-me feliz
No silêncio do teu olhar
faz-se luz

 



publicado por olhar para o mundo às 08:28 | link do post | comentar

Quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Quinta do Bill

Quinta do Bill mostram «outra faceta» musical em disco celebrativo

 

As baladas são a «outra faceta» dos Quinta do Bill, motivo pelo qual o mais recente disco editado pela banda portuguesa seja recheado por este género musical. Contudo, não se trata do álbum substituto de «Sete» (2011).


«É mais uma coletânea em que quisemos incluir dois temas originais, para dizer que estamos ativos», explica ao SAPO Música o vocalista do grupo, Carlos Moisés.

 

Os Quinta do Bill comemoram em 2012 as bodas de prata. A ideia inicial para marcar esta efeméride consistia no lançamento de um álbum duplo com 25 canções.

 

«O ‘manager’ tirou-nos essa ideia, porque considerava ser mais interessante editar um disco com menos temas e que se consiga ouvir do princípio ao fim, sem cansar”, refere Carlos Moisés.

 

Recorde-se que, em 1999, a banda já tinha editado o «Best of» comemorativo dos 20 anos de carreira, o qual expôs o «lado mais festivo» do grupo.

 

Estava, assim, na altura de «fazer algo diferente» e a banda decidiu reunir algumas das composições «mais intimistas» e «melancólicas» produzidas ao longo dos anos, uma tarefa que se revelou «complexa».

 

«Ficaram muitas canções de fora, mas tínhamos de escolher. Os nossos fãs no Facebook escreveram que certos temas deviam estar presentes ao invés de outros. Por graça respondo que, se calhar, ainda vamos fazer uma segunda edição deste disco de baladas», humoriza o vocalista dos Quinta do Bill.

 

Dos 13 temas incluídos no disco, dois são originais - «D’Alma Lavada» e «No Silêncio do Teu Olhar». «Queremos mostrar que estamos ativos e pretendemos fazer coisas novas. Não fazia sentido apresentar somente o que já estava feito», detalha.

 

Carlos Moisés carateriza estas duas novas músicas como «puras canções de amor», em que o mesmo é retratado «sem pudor», através da escrita «cuidada» de Pedro Malaquias.

 

E o balanço destes 25 anos? «É positivo. Estivemos sempre em atividade e nunca houve interrupções. Tivemos a oportunidade de gravar discos e de estar em digressão, o mínimo exigido a um grupo de música», considera.

 

Carlos Moisés adianta que a banda teve os seus «altos e baixos» e destaca o facto de a Quinta do Bill ter conseguido «conquistar» um público «fiel».

 

Para o futuro, a Quinta do Bill espera continuar a fazer música e a dar espetáculos. «Não prevejo grandes voos. Seria, todavia, interessante chegarmos ao mercado espanhol, um pouco no seguimento do que alguns artistas portugueses estão já a fazer», prevê.

 

O mercado brasileiro é outra ambição do grupo, mas mais difícil de alcançar. «Eles não estão para aqui virados», afirma.

 

O que falta? «Um agente local e uma promotora. No caso de Espanha, apesar de ser uma realidade diferente da nossa - gostam e ouvem mais a sua música -, creio tratar-se de uma batalha capaz de ser conquistada e, nós, portugueses, não devemos desistir», afiança.

 

Videoclip de «No Silêncio do Teu Olhar»:


 

Via Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 21:40 | link do post | comentar

~

 

Letra

 

Sei quem ele é
Ele é bom rapaz
Um pouco tímido até
Vivia no sonho de encontrar o amor
Pois seu coração pedia mais,
Mais calor

Ela apareceu
E a beleza dela
Desde logo o prendeu
Gostam um do outro e agora ele diz
Que alcançou na vida o maior bem,
É feliz.

Só pensa nela
A toda a hora
Sonha com ela
P´la noite fora
Chora por ela
Se ela não vem

Só fala nela
Cada momento
Vive com ela
No pensamento
Ele sem ela
Não é ninguém



publicado por olhar para o mundo às 17:36 | link do post | comentar

 
Letra
 

Ai que desgraça ser um individuo alegre
Andam todos a chorar
Diz que a vida é bem malina
E não há porque esperar
Mas eu cá sinto-me bem…

 

Que chatice do caraças ando aqui sempre a sorrir
E os outros deprimidos
A tomarem comprimidos
Para ver se a coisa passa
À espera do que há-de vir
Mas é assim que eu canto o fado

 

Vamos à praia, vamos à praia (x2)

 

Mas que desgraça ser um tipo cheio de sorte
Ver os outros abafados, a ficarem mal parados
Numas lentas agonias
E eu sempre a saltitar

 

Que maçada do caraças não sei como prosseguir
Chatear-me com a vida e deixa-la meio perdida
Como faz o pessoal que anda sempre a mandar vir
Porque é assim que eu canto o fado

 

Vamos à praia, vamos à praia

 

Vamos embora do nevoeiro
Assenta o pé, pé no terreiro
Deixa a tristeza lá bem p’ra trás

Vamos à praia, vamos à praia (x2)



publicado por olhar para o mundo às 15:35 | link do post | comentar

Dias da Música no CCB

Com a “Voz Humana” como mote têm início a 27 de Abril, e até 29 , os “Dias da Música” um espaço no tempo a que o Centro Cultural de Belém nos habituou, com concertos de grandes orquestras, peças de compositores a não esquecer e maestros de batuta poderosa  e bem dirigida.

 

Serão três dias em que a música se soltará nos auditórios do Centro Cultural de Belém, com sonoridades de Purcell, Bach, Beethoven, Mozart e vozes como a de Carmen Linares e o seu rodopiado flamenco.

 

Um convite aos nossos leitores: não deixem passar a oportunidade de contactarem com grandes mestres da música e de ouvirem grandes orquestras dirigidas por excelentes maestros.

 

Retirado de HardMúsica



publicado por olhar para o mundo às 15:18 | link do post | comentar

 

Letra

 

Sobe Sobe Balão Sobe
 Manuela Bravo
Sobe sobe balão sobe
Sobe sobe, Balão sobe

Eu vivo a sonhar, não pensem mal de mim
Quanto mais não vale viver a vida assim
Nas asas de um sonho é bom andar sem norte
não preciso vistos, nem uso passaporte

Não tenho limites, parar não é comigo
Se ouço o meu amor, dizer eu vou contigo
Ter essa certeza é luz de um novo dia
Vai meu balão doiro envolto em fantasia

Refrão: 
Sobe sobe balão sobe
Vai pedir aquela estrela 
Que me deixe lá viver e sonhar
Levo o meu amor comigo, pois eu sei que encontrei 
Um lugar ideal para amar...

Refrão: 3

la la la la la la la la la la la la ......
Levo o meu amor comigo, pois eu sei que encontrei 
Um lugar ideal para amar

sobe sobe balão sobe
balão sobe

la la la la la la la la la la la la la la la .... 





publicado por olhar para o mundo às 08:34 | link do post | comentar

Quarta-feira, 25 de Abril de 2012

Depois de um vinyl de sete polegadas – “Blah Blah Bang” – e de dois álbuns de originais – “Knocking at the Backdoor Music” e “Share the Fire” –, os Murdering Tripping Blues optaram por presentear os seus fãs com um álbum ao vivo, "1st Time in Color", gravado na edição 2011 do festival Paredes de Coura.

 

Antes das primeiras apresentações ao vivo do registo, a decorrerem no Porto e em Guimarães já no próximo fim de semana, a entrevista ao Palco Principal, sobre as opções tomadas na nova aventura discográfica do trio e a respetiva carreira internacional, que começa, aos poucos, a desenhar-se com traço forte, robusto.

 

 

Sara Novais e Filipa Oliveira

 

Retirado de Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 22:15 | link do post | comentar

 

Letra

 

Uns vão bem e outros mal

Senhoras e meus senhores, façam roda por favor
Senhoras e meus senhores, façam roda por favor, cada um com o seu par
Aqui não há desamores, se é tudo trabalhador o baile vai começar
Senhoras e meus senhores, batam certos os pézinhos, como bate este tambor
Não queremos cá opressores, se estivermos bem juntinhos, vai-se embora o mandador
Vai-se embora o mandador
Faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres
Folha seca cai ao chão, folha seca cai ao chão
Eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres,
Que eu sou doutra condição, que eu sou doutra condição
De velhas casas vazias, palácios abandonados, os pobres fizeram lares
Mas agora todos os dias, os polícias bem armados desocupam os andares
Para que servem essas casas, a não ser para o senhorio viver da especulação
Quem governa faz tábua rasa, mas lamenta com fastio a crise da habitação
E assim se faz Portugal, uns vão bem e outros mal
Faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres
Folha seca cai ao chão, folha seca cai ao chão
Eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres,
Que eu sou doutra condição, que eu sou doutra condição
Tanta gente sem trabalho, não tem pão nem tem sardinha e nem tem onde morar
Do frio faz agasalho, que a gente está tão magrinha da fome que anda a rapar
O governo dá solução, manda os pobres emigrar, e os emigrantes que regressaram
Mas com tanto desemprego, os ricos podem voltar porque nunca trabalharam
E assim se faz Portugal, uns vão bem e outros mal
Faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres
Folha seca cai ao chão, folha seca cai ao chão
Eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres,
Que eu sou doutra condição, que eu sou doutra condição
E como pode outro alguém, tendo interesses tão diferentes, governar trabalhadores
Se aquele que vive bem, vivendo dos seus serventes, tem diferentes valores
Não nos venham com cantigas, não cantamos para esquecer, nós cantamos para lembrar
Que só muda esta vida, quando tiver o poder o que vive a trabalhar
Segura bem o teu par, que o baile vai terminar
Faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres, faz lá como tu quiseres
Folha seca cai ao chão, folha seca cai ao chão
Eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres, eu não quero o que tu queres,
Que eu sou doutra condição, que eu sou doutra condição


Fausto, in Madrugada dos Trapeiros, 1978



publicado por olhar para o mundo às 16:31 | link do post | comentar

 

Letra

 

EU VI ESTE POVO A LUTAR
(Confederação)

Letra e música: José Mário Branco

Eu vi este povo a lutar
Para a sua exploração acabar
Sete rios de multidão
Que levavam História na mão

Sobre as águas calmas
Um vulcão de fogo
Toda a terra treme
Nas vozes deste povo

Mesmo no silêncio
Sabemos cantar
Povo por extenso
É unidade popular

Somos sete rios
Rios de certeza
Vamos lá cantando
No fragor da correnteza

Eu vi este povo a lutar
Para a sua exploração acabar
Sete rios de multidão
Que levavam História na mão

A fruta está podre
Já não se remenda
Só bem cozidinha
No lume da contenda

Nós queremos trabalho
E casa decente
E carne do talho
E pão para toda a gente

Ai, meus ricos filhos
Tantos nove meses
Saem do meu ventre
Para a pança dos burgueses

Eu vi este povo a lutar
Para a sua exploração acabar
Sete rios de multidão
Que levavam História na mão

Alça meu menino
Vê se te arrebitas
Que este peixe podre
Só é bom para os parasitas

Só a nosso mando
É que há liberdade
Vamos lá lutando
P’ra mudar a sociedade

Bandeira vermelha
Bem alevantada
Ai minha senhora
Que linda desfilada

Eu vi este povo a lutar
Para a sua exploração acabar
Sete rios de multidão
Que levavam História na mão





publicado por olhar para o mundo às 12:28 | link do post | comentar

Letra
Liberdade
 Sérgio Godinho
Viemos com o peso do passado e da semente 
Esperar tantos anos torna tudo mais urgente 
e a sede de uma espera só se estanca na torrente 
e a sede de uma espera só se estanca na torrente 
Vivemos tantos anos a falar pela calada 
Só se pode querer tudo quando não se teve nada 
Só quer a vida cheia quem teve a vida parada 
Só quer a vida cheia quem teve a vida parada 
Só há liberdade a sério quando houver 
A paz, o pão 
habitação 
saúde, educação 
Só há liberdade a sério quando houver 
Liberdade de mudar e decidir 
quando pertencer ao povo o que o povo produzir 
quando pertencer ao povo o que o povo produzir



publicado por olhar para o mundo às 10:24 | link do post | comentar

 

Letra

 

Sim, foi assim que a minha mao
surgiu de entre o silencio obscuro
e com cuidado, guardou lugar
a flor da primavera e a tudo
Manha de abril
e um gesto puro
coincidiu com a multidao
que tudo esperava e descobriu
que a razao de um povo inteiro
leva tempo a construir
Ficamos nos
so a pensar
se o gesto fora bem seguro
Ficamos nos
a hesitar
por entre as brumas do futuro
A outra accao prudente
que termo dava
a solidao da gente
que desesperava
na calada e fria noite
de uma terra inconsolavel
Adormeci
com a sensacao
que tinhamos mudado o mundo
na madrugada
a multidao
gritava os sonhos mais profundos
Mas alem disso
um outro breve inicio
deixou palavras de ordem
nos muros da cidade
quebrando as leis do medo
foi mostrando os caminhos
e a cada um a voz
que a voz de cada era
a sua voz
a sua voz



publicado por olhar para o mundo às 08:36 | link do post | comentar

Terça-feira, 24 de Abril de 2012

«Bicho do Diabo» é o novo álbum dos bANdARRA

Já chegou às lojas o novo álbum dos bANdARRA, «Bicho do Diabo», cujo primeiro single «Vamos à Praia» já tem videoclip que poderão ver mais abaixo.


Produzido e gravado no Capelo (encosta de um vulcão, ilha do Faial), e misturado em Lisboa no Pérola Estúdios, o segundo álbum de originais do grupo açoriano apresenta 14 novos temas, solidamente fundeados no meio do Atlântico.

 

De acordo com o comunicado enviado à imprensa, «a génese (deste álbum) começou em 2011. Quiseram aproximar as sonoridades e transpirações das ilhas às do resto do universo das suas cabeças, transpondo para as canções uma mescla de vivência rural com memória urbana. Para chegarem a este porto, serviram-se das expressões próprias que vivem nas palavras dos ilhéus, deixaram-se alagar pelas referências que já os habitavam e descobriram outras na música tradicional/popular Açoriana e Portuguesa.

 

Mas fizeram mais – espelharam nas canções fragmentos do avesso e do reverso, próprios do indivíduo e do colectivo homem. Escolheram um alvo fácil e alicerçaram uma casa de histórias nessa caricatura mundana, figura transversal às geografias e vivências ocidentais do litoral e do interior, sinónimo popular de rebeldia, da diferença, do sarcasmo mas também do que mais ruim existe.»

 

Contando com a participação de convidados como António Bragança (A Naifa, Radio Macau, Entre Aspas), Zeca Medeiros (canta no «Bicho do Diabo»), Pedro Afonso (toca tracanholas na «Foliona» e canta no «Não és dos nossos»), Pedro Lucas (toca sintetizadores no «Mais ou menos minuto») e Emmanuel Arand (toca banjo no «Zé»), os bANdARRA criaram um «Bicho do Diabo» que, em 2012, vê a luz do sol.

 

Sobre a banda


Os bANdARRA, projecto ilhéu de música portuguesa com braços abertos na cabeça, têm andado desde a sua origem em busca de canções populares que lhes dêem de comer. Servem-se da língua que lhes povoa a boca e de uma panóplia de instrumentos (mais ou menos lusos) para contar histórias das gentes e das coisas. Regam tudo o que fazem com alegria e energia fartas porque, como se diz nas ilhas, nunca viram a tristeza dar de comer a ninguém.

 

Desde 2007 que têm vindo a ser convidados para pisar vários palcos do país (do Porto a Faro, do Faial a São Miguel) destacando-se os da Festa do Avante, da Semana Académica de Faro e São Miguel, dos festivais Dançarilhas e Ritmus, das festas da Semana do Mar, Semana dos Baleeiros e Praia da Vitória.

 

Em 2010, lançaram o seu primeiro álbum, homónimo, que foi bem acolhido pela crítica nacional (Jornal de letras, Time Out, Expresso, Revista Sábado) e que os levou até ao palco do CCB, em Lisboa, no âmbito da primeira edição do Prémio Megafone, para o qual foram seleccionados.

Lançam agora o seu segundo trabalho, «Bicho do Diabo», que está à venda nas lojas Fnac a partir de 23 de abril e poderá também ser adquirido nos locais dos concertos e pela internet no site da banda (www.bandarra.info).

 

Videoclip «Vamos à Praia»

  

 

Via Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 21:47 | link do post | comentar

 

Letra

 

Aguas
E pedras do rio
Meu sono vazio
Nao vao
Acordar
Aguas
Das fontes
calai
O ribeiras chorai
Que eu nao volto
A cantar
Rios que vao dar ao mar
Deixem meus olhos secar
Aguas
Das fontes calai
O ribeiras chorai
Que eu nao volto
A cantar
Aguas

Do rio correndo
Poentes morrendo
P'ras bandas do mar
Aguas
Das fontes calai
O ribeiras chorai
Que eu nao volto
A cantar
Rios que vao dar ao mar
Deixem meus olhos secar
Aguas
Das fontes calai
O ribeiras chorai
Que eu nao volto
A cantar



publicado por olhar para o mundo às 17:28 | link do post | comentar

Música no aniversário do Teatro do Bairro

 

Bandex e Dixie Gang no Teatro do Bairro

O Teatro do Bairro, em Lisboa, celebra o 38º aniversário do 25 de Abril com duas noites onde a liberdade se traduz pela música. Bandex e Dixie Gang são as bandas convidadas.

 

Na noite de 24 de Abril, a partir da meia-noite e com entrada livre, os Bandex estreiam-se em palco. Nuno Gelpi (guitarra e sampler), Miguel Gelpi (contrabaixo), Mário Moral (guitarra e sampler) e Daniel Meliço (bateria) compõem música de intervenção, onde a actualidade política é cantada sem cansaço. As suas músicas podem ser ouvidas no canal de "youtube" do grupo.

 

Já na noite do feriado, José Duarte organiza mais uma noite da série TB Jazz, e desta vez são os portugueses Dixie Gang os convidados. Como o nome indica, o sexteto (banjo, corneta, trombone, bateria, clarinete e piano) vai oferecer uma noite de jazz antigo, voltando à Nova Orleães da década de 1910 para fazer regressar o “dixieland” a Portugal.

 

Ninguém melhor que o próprio Duarte para dizer o que podemos esperar: “Dixie é Música jovem para gente nova. Música que se dança. Música alegre (como é difícil ser-se alegre). Hoje, é a Música ideal para festejar. É a Música ideal para festejar o 25 (…)  lembrarmo-nos do que do 25 ainda resta: a (relativa) Liberdade”. O concerto tem início marcado para as 23:30 e a entrada custa seis euros.

 

Via HardMúsica



publicado por olhar para o mundo às 12:48 | link do post | comentar

 

 

Letra

 

Não encontrei a letra desta música



publicado por olhar para o mundo às 08:49 | link do post | comentar

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim




posts recentes

GONÇALO TAVARES & SOFIA A...

Já se vive o Festim! Bomb...

Gonçalo Tavares - "Só me ...

THE FLOYD PORTUGAL - TRIB...

Valete, Capicua, Emicida ...

Darth apresneta "A estrad...

Van Breda ft Mickey Shilo...

VAN BREDA LANÇA A SUA PRI...

Valete, Capicua, Emicida ...

MONTEPIO FADO CASCAIS

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
A letra deste música refere-se à vida de uma crian...
Gostei
Gostei
Uma boa iniciativa com muito boa música!
Claro que foi, este individuo tem um ego do tamanh...
Boa noite, o texto foi enviado exactamente como es...
O encontro entre o cavaquinho português e o ukulel...
"Será o primeiro disco profissional que deixará o ...
Alguém com os acordes?
Ó filha: muda de ramo!
Posts mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds