Domingo, 21 de Agosto de 2011

Experimentar não o incomoda

 

Pedro Lucas, o homem por trás do projecto O Experimentar Na M''Incomoda, esqueceu-se da música açoriana quando era adolescente. Mas quando a reencontrou resolveu pegar nela, virá-la do avesso e dar-lhe novo balanço. Surpresa: funciona


Lá pelas cinco da manhã da passada sexta, dia 29 de Julho, havia um moço pouco satisfeito nos bastidores do Festival de Músicas do Mundo de Sines, habitualmente repletos de alegria seja a que hora for. "Não acho que tenha corrido muito bem", dizia Pedro Lucas, o líder do projecto O Experimentar Na M'Incomoda, encostado ao umbral de PVC da porta do seu camarim, enquanto passava as mãos pelo cabelo e olhava para o chão em jeito tímido - dois gestos que, notámos, são tiques habituais nele.

É certo que tinha algumas razões para estar insatisfeito. Em anos anteriores o último concerto de sexta-feira na Avenida da Praia estaria cheio, o que não aconteceu, possivelmente porque o dinheiro aperta. O tempo, frio e húmido, com uma morrinha persistente, também não ajudou e muitos dos que tinham estado no Castelo de Sines a assistir ao concerto foram dormir. E o som, ao início, não estava propriamente perfeito.

Mas quantificadas as variáveis da equação, ele podia dar-se por satisfeito: a dada altura o som afinou, havia uma notória surpresa com aquela música feita de cantares açorianos e electrónica que ia do reggae às batidas hip-hop e o milhar ou par de milhares de gente que tinham descido até à Avenida abanaram o corpo com prazer.

"Um tipo nunca fica satisfeito", continuava, no seu jeito de rapaz atrapalhado.
No dia seguinte juntámo-nos a ele e ao resto da banda - um combo sempre em alteração e que raramente tem oportunidade de ensaiar em conjunto - para acabar a entrevista a um dos mais intrigantes projectos portugueses dos últimos anos.

Há meses, mais propriamente desde que saíra o disco de estreia, homónimo, que andávamos a tentar sentarmo-nos com Lucas. Por esta ou por aquela razão a conversa foi-se adiando. Chegámos a pensar que o rapaz - de apenas 25 anos - fosse um eremita. Mas a inacessibilidade de Lucas tem uma explicação simples: "Vivo na Dinamarca", conta. O que também explica os escassos concertos que dão: "É sempre preciso encontrar datas que permitam reunir toda a gente e ter concertos suficientes para pelo menos não perdermos dinheiro com as viagens par ao continente".

Não é do aqui e agora

Açoriano de nascença, Lucas é um melómano que diz estar longe de ser um músico como "a malta do rock". "Não sou um músico do hedonismo, não sou do aqui e agora". Afiança gostar de "estudar, experimentar, pesquisar". Em parte isso vem do seu trajecto não só pessoal como familiar. "Nasci no Faial, na ilha da Horta. O meu avô tocava numa filarmónica onde eu também toquei. Na escola primária tínhamos rancho folclórico na escola, todas as terças-feiras. Aos 10 anos entrei para as aulas de guitarra clássica no Conservatório".

Lucas diz que à medida que entrou "na adolescência" toda essa música "foi sendo esquecida". Era capaz de gostar de uns Gaiteiros de Lisboa mas não ouvia música dos Açores". Mas quando a reencontrou foi - como dizer? - paixão ao segundo ouvido.
Aos 18 anos veio para Lisboa. Trabalhou numa editora, a Transformadores - diz que não raras vezes tentou chatear-nos para promovermos discos a que invariavelmente não demos importância - e pelo meio foi estudar som para a Restart. "Ao fim de cinco anos em Lisboa fartei-me", uma confissão que demonstra a sua sanidade mental.

É quando volta aos Açores que a aventura do projecto O Experimentar Na M'Incomoda surge, por acaso. Tudo começa quando se cruzou com com o disco do Carlos Medeiros chamado "O Cantar Na M'Incomoda". (Há uns anos, quando a Brigada Victor Jara editou "Ceia Louca", o seu último disco, chamámos a atenção para a voz de Carlos Medeiros e para esse extraordinário disco impossível de encontrar excepto na net. O mundo é injusto e pôs Lucas de caras com uma cópia original desse tremendo disco - algo que nunca nos aconteceu. Aquilo fica o apelo: era bonito venderem-nos um exemplar.)

Munido tantos dos seus conhecimentos musicais como da aptidão para mexer em botões que o curso de som lhe tida dado, fez "uma espécie de remistura do tema e a partir daí surgiu o resto". Por "o tema" refere-se a "Caracol", canção que tem a propriedade curiosa de poder ser ouvida a qualquer hora do dia, em qualquer esquina dos Açores, de tal modo está disseminada. Ninguém a canta como Carlos Medeiros, claro.

"A ideia inicial era revisitar o disco do Carlos, que é um disco de recolhas", conta Lucas. "Mas mais tarde descobri outro disco fantástico, ‘Tradições Orais, Corvo, São Jorge e Terceira', recolhido por Paul Henrique Silva. Juntei mais uma do Manuel Medeiros que não é tradicional mas que se tornou uma espécie de hino dos Açores, o ‘Ilhas de Bruma'. E depois ainda juntei outras canções tradicionais ao repertório".

Pelo que a ideia de simplesmente fazer uma versão electrónica de "O Cantar Na M'Incomoda" foi sendo posta de lado. Lucas recebeu um subsídio da Direcção Geral de Cultura dos Açores e começou a trabalhar no disco, que acabou por ser terminado na Dinamarca, para onde entretanto se tinha mudado: "Parti um bocado à aventura", conta. "Fiquei a dormir num sofá durante um mês. Agora estou a estudar Estudos Artísticos na Universidade Aberta enquanto trabalho ao balcão num bar".

Podíamos imaginar que face à similitude entre o título do disco de Lucas e o de Medeiros que o primeiro se tinha limitado a colocar umas batidas por cima das canções. Mas não. Nem a instrumentação se mantém: em vez da habitual viola da terra há uma viola caipira, acrescenta-se elementos estranhos como o glockenspiel, o didgeridoo, a guitarra e o baixo eléctricos, provocando uma profusa alteração dos originais, transformando as canções dos baleeiros em música industrial ou dub.

"A partir do momento em que começo a trabalhar naquilo deixa de haver limites ao que se pode fazer. Não há uma regra. O que faço muda por completo de canção para canção. No ‘Caracol' alterou-se tudo completamente em termos harmónicos. Na ‘Ilhas de Bruma' nem a melodia principal ficou, só o balanço".

Lucas apreciaria fazer "um tomo II" de "O Experimentar Na M'Incomoda", mas não pretende ficar por aí, quer "experimentar outras coisas que [anda] a compor". Acabou recentemente uma BSO para a RTP Açores, está a fazer experiências com o dubstep e sonha "um dia fazer um disco de guitarra", uma inspiração que lhe surgiu depois de assistir a um concerto de Marc Ribot: "Fui vê-lo e mal cheguei a casa dei por mim a pegar na guitarra outra vez".

Está visto que por mais apreço que ele tenha pela tradição não é um purista. Se lhe perguntarem qual o exemplo de música que admira a resposta não é um obscuro açoriano. É David Sylvian. Não, experimentar não o incomoda.

 

Via Público



publicado por olhar para o mundo às 21:14 | link do post | comentar

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim




posts recentes

Celina da Piedade - Acred...

Palácio Nacional de Sintr...

Capitão Capitão - Grande ...

EM CONTRASTE - Festa de A...

mishlawi - boohoo ft. ric...

Dona Carioca em Braga

Uaninauei - Maria Manuela

UANINAUEI LANÇA NOVO VÍDE...

mishlawi - time ft. zara ...

Mão Morta - "Novelos da P...

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
Fdx.Grande som.Brutal
O POEMA.......AS MAÔS FLUINDO... COM PAIXÂO O INST...
Eu adoro esta música desde pequenina
amei a musica e dizer forca pr o meu compatriota C...
granda musica
OláTem razão, já não me lembro de inde tirei a let...
Lindo demais!!
Ola o convido a escutar devidamente a musica pois ...
Um curriculo extraordinario sem duvida: http://yol...
A letra não é correta
Posts mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds