Domingo, 19 de Junho de 2011

Os Osso Vaidoso

 

Estão longe de ser novatos, mas para Alexandre Soares e Ana Deus, o momento está a ser vivido como se fossem, com o seu novo projecto, os Osso Vaidoso, a circularem nos últimos meses de boca em boca, graças a blogues, redes sociais e sítios da Rede.

Nos anos 80 ele foi um dos fundadores dos GNR e uma das guitarras mais imaginativas de sempre da cultura pop portuguesa. Ela era uma das vozes dos Ban. Nos anos 90 juntaram-se para os Três Tristes Tigres, autores de três álbuns - "Partes Sensíveis" (1993), "Guia Espiritual" (1996) e "Comum" (1998) - do melhor que se ouviu da música feita em Portugal nessa década.

Criaram merecido culto, mas nunca atingiram projecção popular. Talvez por isso acabaram por não criar descendência. Mas isso é história. Não há qualquer nostalgia, mas existe a noção de que há pontas soltas que vêm desse tempo que acabam por estar presentes nos Osso, como a omnipresença da poetisa Regina Guimarães. Mas não só. "Se existe alguma continuidade ela deve-se a essa procura de novos embrulhos para o formato canção" reflecte Ana Deus. Mas os Osso são outra coisa. Mais descarnada, minimal, esquelética. Com muito mais osso e com mais tempo e espaço para as palavras se afirmarem.

O nome do projecto faz jus à música. Som económico para guitarra, ritmo discreto quando existe e voz. Sem querer soam profundamente contemporâneos. Há qualquer coisa da intemporalidade afirmada na alvorada dos anos 80 pelos Young Marble Giants, mas também se poderia evocar projectos dos últimos anos, a começar pelos The xx em versão austera, que investem num som descarnado. E tudo começou por acaso.

"O ano passado o Alexandre foi convidado para a iniciativa Meia Noite e Uma Guitarra, que decorreu no cinema S. Jorge em Lisboa e convidou-me. Tivemos que arranjar um nome à pressa e foi aí que o Osso Vaidoso nasceu." Pouco tempo antes já tinha existido um reencontro no Porto. "Tudo isto nasceu por acaso, mas agora, olhando para trás, era evidente que devíamos trabalhar em conjunto. Ele é a pessoa que melhor conheço e faz sentido. As coisas vão acontecendo sem grandes planos. Até há pouco tempo andava à procura de outro tipo de coisas. Ligava mais à poesia do que à canção. Queria dar voz a outras coisas menos melodiosas e menos orquestradas. Andava um pouco por aí. Mas agora que nos reencontrámos estou contente por termos voltado a tocar."

"Os Tigres tinham muitas camadas", reflecte. "Sonicamente era uma coisa mais complexa. Agora é tudo alicerçado na palavra e no texto. Nos Tigres ficava à espera da música ou da harmonia e agora não, é ao contrário. Parto do texto. Quando se trabalha com muitos músicos, a palavra pode ser desviada pelo que o outro está a fazer. Com um apenas também pode acontecer, mas é mais fácil a palavra ser respeitada. É uma espécie de mano a mano" diz. Esse gosto por trabalhar textos veio-lhe dos Três Tristes Tigres e da colaboração com Regina Guimarães, mas viria a ser reforçado nos últimos anos em diversas colaborações, como aconteceu com as Quintas de Leitura no Teatro do Campo Alegre.

Foi aí que aprofundou o gosto por diversos autores. Daí que os Osso já tenham musicado palavras da dupla e de Regina Guimarães, mas também de valter hugo mãe ou de Alberto Pimenta. Com este último realizaram uma edição conjunta (Livro + CD) através da editora Mia Soave - trata-se do último livro de Pimenta, "Reality Show", na companhia do CD "Degrau" dos Osso. Nele a dupla aborda oito poemas de Pimenta que vão do registo "dito e entoado, ao cantado", diz Ana. É esse espectáculo ("Pimenta na Boca"), construído a partir de poemas de Alberto Pimenta, que irão apresentar hoje no festival Silêncio, na companhia do músico Pedro Augusto, conhecido por Ghuna X.

Na actualidade têm uma hora de canções e, para além do CD com o livro de Pimenta, já se encontram a pensar num novo lançamento, sem pressas e sem ambições desmedidas. "O processo de afirmação dos Osso tem sido muito descontraído, mas pomos muito empenho a fazer as coisas" diz Ana Deus. "Quando as pessoas diziam que os Tigres deviam voltar, nós respondíamos que não. Já não somos o que éramos. Há sempre uma base. Mas queremos ser diferentes." Não há dúvida que é verdade.

 

Via Ipsilon

 



publicado por olhar para o mundo às 21:59 | link do post | comentar

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim




posts recentes

VALAS conquista 1 milhão ...

João Tamura - Terminus

VIDEOCLIP - Dom Rubirosa ...

Anselmo Ralph - Virou amo...

Banda sonora do filme "Ca...

Dillaz - Portugal

Casa da Cultura de Setúba...

Musical infantil "Palavra...

Estar Presente, tema de n...

Dillaz - Caminho Errado

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
Fdx.Grande som.Brutal
O POEMA.......AS MAÔS FLUINDO... COM PAIXÂO O INST...
Eu adoro esta música desde pequenina
amei a musica e dizer forca pr o meu compatriota C...
granda musica
OláTem razão, já não me lembro de inde tirei a let...
Lindo demais!!
Ola o convido a escutar devidamente a musica pois ...
Um curriculo extraordinario sem duvida: http://yol...
A letra não é correta
Posts mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds